Resumão – Sex 27.05.11

AMY ESTÁ DE VOLTA À ATIVA… NA REHAB

Não adianta dizer “não, não, não”! A estranha cantora Amy Winehouse, que tem bebida até no nome, voltou a se internar em uma clínica de reabilitação para viciados em drogas como pagode e textos de Walter Benjamin e álcool em Londres. A pedido do pai, a cantora deu entrada na clínica, para tentar estar normal nas apresentações que fará na Europa, em breve.Não é à toa que o maior sucesso dela seja justamente um hino dos viciados reincidentes: Rehab.
Fonte: Estadão 

ELES NUNCA ME ENGANARAM!!! MÔNICA E CEBOLINHA SE BEIJAM

Depois de quase 60 anos, finalmente saiu o primeiro beijo deste casal platônico, um dos mais famosos do Brasil. Agora que a turma cresceu, a edição 34 da Turma da Mônica Jovem, entitulada “Quer namorar comigo?”, estampará na capa o tão famigerado malho, mais esperado até do que a revelação de quem matou Odete Roitman. Maurício de Souza quer aproximar suas histórias da realidade da juventude, e por isso a ousadia (imaginários infantis serão totalmente afetados, inclusive o meu, depois do beijo de Cebolinha e Mônica). Nas bancas a partir de hoje.
Fonte: DO
SÃO PAULO PERDE MAIS UMA: O IBC DA COPA 2014 SERÁ NO RIO

IBC, pra quem não sabe, é a sigla em inglês para Centro de Imprensa Internacional, local que reúne todos os veículos de comunicação do planeta, que vem cobrir um evento importante. No caso da Copa 2014, o Rio de Janeiro venceu Brasília e São Paulo, e sediará o IBC. O Riocentro, um dos maiores centros de convenções do país, receberá obras para acolher o Centro de Imprensa. Mais uma derrota na lista da maior cidade do país, que já está fora da Copa das Confederações de 2013 e, por ainda não ter estádio (devido à impasses na construção do Itaquerão), pode até ficar DE FORA do Mundial, daqui a 3 ANOS. Natal também pode cair fora. Esse é o Brasil da Copa!!!
Fonte: G1 

O injustiçado Robgol ficou na mão

Juiz não devolve os R$ 500 mil apreendidos no apartamento do ex-deputado. Sim, ele PEDIU DE VOLTA!
Fonte: Portal ORM
Será que VOCÊ também é um dos
contratados da Alepa e não sabe?
(Foto: ???)
Uma dentro da nossa justiça! O ex-deputado (e 2º maior atacante do Paysandu, depois do Zé Augusto) Robgol, do PTB, pediu para que os quase R$ 500 mil apreendidos em seu apartamento, no dia 19 do mês passado. E todos sabemos que esse dinheiro seria fruto de um esquema de corrupção, que envolve funcionários-fantasma e desvio de grana da Assembléia Legislativa do Estado, que todo o Brasil já conhece, e a cada dia vai aumentando mais, e queimando mais filmes.
Mas não adiantou. O juiz da 1ª Vara de Inquéritos Policiais, Pedro Sotero, barrou a devolução desta fortuna suja, acatando o recurso do Ministério Público do Estado, que investiga o envolvimento do jogador no escândalo da ALEPA. Robgol tinha vários parentes contratados como assessores parlamentares, muitos deles vivem NA PARAÍBA. Quem ficava com os salários e com os vales correspondentes (R$ 40 mil, também descobertos no apê do Excelentíssimo), hein?
Ele bem que tentou recorrer à Receita Federal, no início do mês, usando suas declarações do Imposto de Renda para limpar sua barra e provar a legalidade do dinheiro. Agora a própria RF terá que se declarar sobre todos os bens de Robgol, enquanto foi membro da Alepa (2007-2010). Na próxima terça (31), o ex-deputado e ex-atleta vai ter que falar e explicar (se puder) de que mangueira caiu tanto dinheiro.

Seminário discute o telejornalismo esportivo de ontem, hoje e amanhã

PC Vasconcellos, do Sportv, foi o convidado especial. Evento faz parte do Troféu Rômulo Maiorana, que será entregue na próxima quarta (01).


Gustavo Ferreira (@gusdferreira)

Dos primórdios até os tempos das mídias sociais, o telejornalismo passou por várias transformações. O esporte também. E foi sobre essas mudanças que o telejornalismo esportivo viveu nestas 6 décadas que o jornalista Paulo Cesar Vasconcellos, chefe de redação do Sportv, comentou nesta quinta, no auditório do Crowne Plaza. Na platéia do seminário “Telejornalismo Esportivo: passado, presente e futuro”, apresentado por André Laurent, cerca de 120 jornalistas, estudantes e esportistas, ouviram atentos o jornalista, que esteve em 5 Copas do Mundo e 3 Olimpíadas, em mais de 30 anos de carreira.
O jornalista Paulo Cesar Vasconcellos, do Sportv,
foi o convidado especial do evento
(Foto: Gustavo Ferreira)
PC comentou a evolução da imprensa esportiva na TV, citando como fatores fundamentais as conquistas brasileiras em diversas modalidades, a partir dos anos 70 e 80, reforçando a abrangência que o telejornalismo desta área adquiriu. E quando o futebol entrou em campo, o jornalista enfatizou: “O futebol é uma religião no Brasil”, e por isso tamanha importância neste processo evolutivo, o que implica uma maior responsabilidade por parte do jornalista da área. “Nós (os jornalistas) somos a razão; você, a paixão”, disse PC.
Responsabilidade. PC destacou que, como o futebol envolve a paixão do povo, ele deve ser tratado pelo jornalismo com responsabilidade e abrangência. “O telejornalismo esportivo deve ser esclarecedor”, segundo ele, que critica a falta de serviço do jornalismo de esportes, como a divulgação de preços de ingressos e como participar de um evento.
TECNOLOGIA Com o tempo, a maneira de fazer o telejornalismo esportivo foi mudando muito graças à tecnologia, uma grande aliada neste processo, segundo PC. “A tecnologia ajudou o telejornalismo esportivo, mais do que a qualquer outra área do jornalismo”, afirmou, pois aumentou a possibilidade de esclarecer o espectador através da imagem.
2014 E 2016: OS DESAFIOS Com o Brasil na rota dos eventos mais importantes da década no esporte (Copa de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016), a função do jornalismo esportivo deve ser a de fiscalizar e acompanhar todo o processo de construção destes eventos, buscar soluções e cobrir, imparcialmente, todo este processo de mudanças no país antes, durante e depois da Copa e das Olimpíadas.
Ainda segundo PC, a transformação do jornalismo esportivo reflete a própria transformação que o Brasil está sofrendo, em diversos setores da economia e da sociedade.
CONCORRÊNCIA WEB PC Vasconcellos lembrou que a oferta de informação é muito grande, e só um grande nível de conhecimento consegue diferenciar um bom jornalista dos outros. No jornalismo esportivo, isso não pode ser diferente. A velocidade e a precisão devem estar aliadas no trabalho do repórter de esportes, levando em consideração as mídias sociais, mas com apuração dos fatos, para evitar falhas. Assim o jornalista constrói uma relação de credibilidade com o telespectador.
DEBATE Após o seminário, começou um debate com o próprio PC, na companhia de Carlos Ferreira, comentarista esportivo das ORM, e Álvaro Borges, diretor de jornalismo da TV Liberal. Os três responderam perguntas da platéia, com temas variados, desde a nova linguagem que os telejornais (como o Globo Esporte) apresentam ao público, até a participação feminina no telejornalismo esportivo.
Álvaro Borges no debate (Foto: Gustavo Ferreira)
Álvaro Borges falou da abordagem do esporte como entretenimento, o que se vê há tempos, e que se acentuou com o trabalho de jornalistas, como Tiago Leifert e Tadeu Schmidt. “Acho que finalmente o jornalismo esportivo está ganhando uma linguagem própria”, comentou Álvaro.
Ainda sobre a esta nova roupagem do jornalismo esportivo na TV, Carlos Ferreira disse que a imagem tem um papel ainda mais importante no tratamento das notícias. O telespectador busca as vantagens da mídia TV para ficar melhor informado, além de deixar a informação mais interessante. “O curioso é o chamariz para a informação”, segundo Ferreira.
ESPORTE PARAENSE Quando incitados por uma pergunta da platéia, sobre a situação do futebol paraense, os três concordaram em reforçar a idéia de que não  cabe ao jornalismo mostrar as soluções para os problemas; a função da imprensa é a de mostrar o que está acontecendo e suscitar a reflexão dos cartolas do nosso futebol.
“O futebol é o único esporte onde o pior pode ganhar do melhor, e fácil”. Com estas palavras, PC afirmou que não basta apenas o resultado. É preciso uma manutenção de gestão, o que significa planejamento.
Em entrevista ao Portal ORM, PC elogiou o evento: “Esta é uma iniciativa que deveria ser seguida por todos no país inteiro. É fantástico o que foi feito aqui pelo Troféu Romulo Maiorana. É raro e digno de ser seguido! Foi ainda melhor discutir jornalismo esportivo, porque jornalismo é sociedade e sociedade é Brasil. Esta troca de ideias entre gerações deveria acontecer sempre!”.

Os jornalistas Carlos Ferreira, PC Vasconcellos e Álvaro Borges, falando sobre telejornalismo esportivo
(Foto: Gustavo Ferreira)
PREMIAÇÃO A festa de entrega do 17º Troféu Rômulo Maiorana será realizada na quarta, 01 de junho, às 19h30, no Teatro Maria Sylvia Nunes, da Estação das Docas.