Seminário discute o telejornalismo esportivo de ontem, hoje e amanhã

PC Vasconcellos, do Sportv, foi o convidado especial. Evento faz parte do Troféu Rômulo Maiorana, que será entregue na próxima quarta (01).


Gustavo Ferreira (@gusdferreira)

Dos primórdios até os tempos das mídias sociais, o telejornalismo passou por várias transformações. O esporte também. E foi sobre essas mudanças que o telejornalismo esportivo viveu nestas 6 décadas que o jornalista Paulo Cesar Vasconcellos, chefe de redação do Sportv, comentou nesta quinta, no auditório do Crowne Plaza. Na platéia do seminário “Telejornalismo Esportivo: passado, presente e futuro”, apresentado por André Laurent, cerca de 120 jornalistas, estudantes e esportistas, ouviram atentos o jornalista, que esteve em 5 Copas do Mundo e 3 Olimpíadas, em mais de 30 anos de carreira.
O jornalista Paulo Cesar Vasconcellos, do Sportv,
foi o convidado especial do evento
(Foto: Gustavo Ferreira)
PC comentou a evolução da imprensa esportiva na TV, citando como fatores fundamentais as conquistas brasileiras em diversas modalidades, a partir dos anos 70 e 80, reforçando a abrangência que o telejornalismo desta área adquiriu. E quando o futebol entrou em campo, o jornalista enfatizou: “O futebol é uma religião no Brasil”, e por isso tamanha importância neste processo evolutivo, o que implica uma maior responsabilidade por parte do jornalista da área. “Nós (os jornalistas) somos a razão; você, a paixão”, disse PC.
Responsabilidade. PC destacou que, como o futebol envolve a paixão do povo, ele deve ser tratado pelo jornalismo com responsabilidade e abrangência. “O telejornalismo esportivo deve ser esclarecedor”, segundo ele, que critica a falta de serviço do jornalismo de esportes, como a divulgação de preços de ingressos e como participar de um evento.
TECNOLOGIA Com o tempo, a maneira de fazer o telejornalismo esportivo foi mudando muito graças à tecnologia, uma grande aliada neste processo, segundo PC. “A tecnologia ajudou o telejornalismo esportivo, mais do que a qualquer outra área do jornalismo”, afirmou, pois aumentou a possibilidade de esclarecer o espectador através da imagem.
2014 E 2016: OS DESAFIOS Com o Brasil na rota dos eventos mais importantes da década no esporte (Copa de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016), a função do jornalismo esportivo deve ser a de fiscalizar e acompanhar todo o processo de construção destes eventos, buscar soluções e cobrir, imparcialmente, todo este processo de mudanças no país antes, durante e depois da Copa e das Olimpíadas.
Ainda segundo PC, a transformação do jornalismo esportivo reflete a própria transformação que o Brasil está sofrendo, em diversos setores da economia e da sociedade.
CONCORRÊNCIA WEB PC Vasconcellos lembrou que a oferta de informação é muito grande, e só um grande nível de conhecimento consegue diferenciar um bom jornalista dos outros. No jornalismo esportivo, isso não pode ser diferente. A velocidade e a precisão devem estar aliadas no trabalho do repórter de esportes, levando em consideração as mídias sociais, mas com apuração dos fatos, para evitar falhas. Assim o jornalista constrói uma relação de credibilidade com o telespectador.
DEBATE Após o seminário, começou um debate com o próprio PC, na companhia de Carlos Ferreira, comentarista esportivo das ORM, e Álvaro Borges, diretor de jornalismo da TV Liberal. Os três responderam perguntas da platéia, com temas variados, desde a nova linguagem que os telejornais (como o Globo Esporte) apresentam ao público, até a participação feminina no telejornalismo esportivo.
Álvaro Borges no debate (Foto: Gustavo Ferreira)
Álvaro Borges falou da abordagem do esporte como entretenimento, o que se vê há tempos, e que se acentuou com o trabalho de jornalistas, como Tiago Leifert e Tadeu Schmidt. “Acho que finalmente o jornalismo esportivo está ganhando uma linguagem própria”, comentou Álvaro.
Ainda sobre a esta nova roupagem do jornalismo esportivo na TV, Carlos Ferreira disse que a imagem tem um papel ainda mais importante no tratamento das notícias. O telespectador busca as vantagens da mídia TV para ficar melhor informado, além de deixar a informação mais interessante. “O curioso é o chamariz para a informação”, segundo Ferreira.
ESPORTE PARAENSE Quando incitados por uma pergunta da platéia, sobre a situação do futebol paraense, os três concordaram em reforçar a idéia de que não  cabe ao jornalismo mostrar as soluções para os problemas; a função da imprensa é a de mostrar o que está acontecendo e suscitar a reflexão dos cartolas do nosso futebol.
“O futebol é o único esporte onde o pior pode ganhar do melhor, e fácil”. Com estas palavras, PC afirmou que não basta apenas o resultado. É preciso uma manutenção de gestão, o que significa planejamento.
Em entrevista ao Portal ORM, PC elogiou o evento: “Esta é uma iniciativa que deveria ser seguida por todos no país inteiro. É fantástico o que foi feito aqui pelo Troféu Romulo Maiorana. É raro e digno de ser seguido! Foi ainda melhor discutir jornalismo esportivo, porque jornalismo é sociedade e sociedade é Brasil. Esta troca de ideias entre gerações deveria acontecer sempre!”.

Os jornalistas Carlos Ferreira, PC Vasconcellos e Álvaro Borges, falando sobre telejornalismo esportivo
(Foto: Gustavo Ferreira)
PREMIAÇÃO A festa de entrega do 17º Troféu Rômulo Maiorana será realizada na quarta, 01 de junho, às 19h30, no Teatro Maria Sylvia Nunes, da Estação das Docas. 
Anúncios

Depois de ver, que tal deixar sua opinião? O Repórter E agradece.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s