Mídias Sociais ganham seu dia em Belém

Evento terá as mídias sociais como centro de discussão, na quinta (30).

Gustavo Ferreira 
             
“Loro da Doca”, “Belemtrânsito”, “Perereca da Vizinha”. Se você já ouviu algum destes termos por aí, você já sabe como as mídias sociais têm força por aqui. E é para debater o que rola na cidade envolvendo essas ferramentas web que teremos o nosso Social Media Day Belém, amanhã (30) na biblioteca da faculdade Estácio/FAP. O dia á é conhecido no planeta como o Dia das Mídias Sociais, pois várias cidades realizarão o evento simultaneamente.
A programação conta com a apresentação de documentários, como o “A Vida em 140 Caracteres – Uma Aventura Virtual”, de Alexandre Baena (@alexandrebaena), além de debates com blogueiros paraenses conhecidos, pela abrangência de seus portais e pela interação com o público. O 100grana é um dos mais famosos, por levar entretenimento pop e dicas de como sobreviver na lisura.
O Social Media Day também abrirá espaço para o debate sobre a relação das mídias sociais e o empreendedorismo, e como fazer dinheiro com o Twitter como uma das formas de divulgação, e a boa repercussão do público.
Uma das idéias do evento, promovido pela Mashable, que ocorre em mais de 30 países e, no Brasil já chegou a São Paulo e Porto Alegre, é a reunião de experiências, tanto de profissionais quanto de qualquer usuário destas ferramentas eletrônicas, para que se desenhe o panorama do efeito destas mídias sociais em terras papa-chibés. Como elas são usadas, com que finalidade, por quem, etc.
VAI LÁ Se você deseja participar desse encontro, ainda dá tempo de se inscrever. Basta entrar no SITE do Social Media Belém e fazer sua inscrição. A Estácio/FAP fica na Municipalidade, passando a Doca. O credenciamento começa às 17h30.

Resumão – Ter 28.06






Elvis não morreu, nem Amin

Fonte: Terra

Essa terça foi marcada pelo milagre da ressurreição. Amin Khader, aquele que leva tapa no Bofe de Elite, da Record, foi dado como morto nesta manhã. A notícia correu na internet, a comunidade LGBTEJKSTFYG lamentou, pelo seu porta –voz mor, David Brazil Zil ZIl, que confirmou pelo Twitter o fato. Só que pouco depois o mesmo Amin estava dando o ar de sua graça purpurinada no Cidade Alerta, do grande José Luís “be dá ibaaagens” Datenão, soltando o verbo contra quem pode ter inventado esse bafo!
Papa e seus (novos) seguidores

Fonte: JB

Mano Menezes, Luciano Huck e Lady Gaga que se cuidem! Agora o mais novo fiel do Twitter é ninguém menos que Sua Santidade, o Papa Bento XVI. Para lançar o portal de notícias do Vaticano, Bento XVI escreveu no microblog o seguinte: “Eu acabei de lançar o News.va. “Louvado seja nosso senhor Jesus Cristo. Com minhas orações e bençãos, Bento XVI”. O perfil @news_va_en já tem mais de 21 mil seguidores, e pode ser que Sua Santidade consiga mais seguidores que o próprio @OCriador (hoje com 2 bilhões mais de 630 mil followers).
Taça das Bolinhas – O retorno: São Paulo fica com ela, segundo liminar

Fonte: Globoesporte.com

Mais uma vez São Paulo e Flamengo não se entendem quanto a posse da maldita Taça de Bolinhas, oferecida pela Caixa ao primeiro time pentacampeão brasileiro. O Tricolor conseguiu uma liminar na Justiça do Rio de Janeiro para cassar a decisão sobre o título brasileiro de 1987, que o Sport chama de seu. Mas a diretoria do Rubro Negro já disse que a decisão final pode ir à Fifa. Até agora é o que temos. Aguarde os próximos capítulos.

"Mangueirazzo"

Depois de um jogo épico, com decisão nos penais, Independente leva ao interior o primeiro título estadual.

Gustavo Ferreira

A tarde deste domingo, 26 de junho de 2011, entrou para a história do futebol paraense. Pela primeira vez em 99 edições da competição, a hegemonia dos times de Belém foi encerrada com talento, garra e sorte. Vem de Tucuruí o campeão paraense de 2011. É o Independente, que escreveu seu nome pra sempre no livro dos vencedores, e reforçando que o Pará, se falando de futebol, é cada vez maior.
Pouco mais de 21 mil torcedores foram ao Mangueirão, a maioria acreditando no tricampeonato do Paysandu, após um empate heróico no primeiro jogo, em Tucuruí, na semana passada. Os torcedores de Tucuruí eram movidos pela esperança de uma conquista inédita para o interior do estado. E o que todos viram foi um jogo em 3 partes, uma alternância que, no final, favoreceu o Independente.
PRIMEIRO ATO O jogo começou estudado, com as equipes tocando bola e arriscando algumas oportunidades de gol. Até que Sidny, de falta, abriu o placar aos 12 minutos e começou a festa alvi-celeste no Mangueirão. O que aconteceu depois foi um verdadeiro massacre do Galo Elétrico sobre o Paysandu.
Dominando a partida, o Independente fez 3 gols ainda no primeiro tempo, melhor do que muitos torcedores imaginavam, até ao mais confiantes. O Papão, abatido, teria que fazer um verdadeiro milagre nos próximos 45 minutos, para tentar tirar das mãos do rival a taça.
VOLTA POR CIMA E foi assim, pressionado, a mil por hora, que o Paysandu voltou para a segunda etapa. O que o time da capital teria que fazer era nada menos do que jogar os melhores 45 minutos da década. E os ingredientes de um jogo memorável estavam ofertados.
Épico! O Independente até que tentou equilibrar a situação, mas os bicolores estavam irredutíveis em correr atrás do prejuízo. Héliton, depois da falha do goleiro do Independente, Osnir, na cobrança de falta de Sidny, marcou aos 9 minutos e incendiou a torcida. Mas foi aos 44, depois de muito sofrimento, que Sandro acertou um chutaço de fora da área, empatando o jogo, matando 30% dos torcedores bicolores cardíacos, e levando a decisão para os pênaltis.
O CANTO DO GALO Na memória do torcedor bicolor, decisão de pênaltis sempre estava relacionada a grandes conquistas (como os títulos dos anos 2000, sobre o Remo, nos tempos áureos do goleiro São Ronaldo, e a Copa dos Campeões de 2001, sobre o Cruzeiro). Até hoje, quando os penais também tornam-se sinônimo de vexame.
Fábio, Lima e Adson marcaram para o time de Tucuruí, e o Paysandu não conseguiu sequer um acerto. Sidny, Rafael Oliveira (o exemplo de decadência do time depois do título do 1º turno) e Mendes chutaram para fora, e nem precisaram consagrar o goleiro Osnir para consagrar o Independente, o novo campeão paraense de 2011. A festa no interior demorou muito, 103 anos, para começar. Mas agora ela não tem hora pra acabar.
MAIS UM O Paysandu, time vitorioso há poucos anos atrás, se desencontrou depois do título inconteste do 1º turno do Parazão, mas não resistiu ao ímpeto do Independente. Perdeu para seus próprios erros, dentro e fora de campo. Perdeu para sua arrogância, com que os jogadores tentaram esconder a falta de qualidade técnica, física e psicológica. Perdeu para um time correto, sem estrelas, sem uma folha de pagamento fora da sua realidade, sem carradas de contratações mal feitas. Perdeu para o estigma furado da “camisa”, da tradição, que há muito não ganham jogos sozinhas.
Se pode haver consolo diante desta queda homérica, que seja o aprendizado. Que os “gerentes” incapacitados e sanguessugas aprendam a respeitar o time que comandam com tamanha irresponsabilidade. Que a derrota inédita sirva para acordar todos os dirigentes do nosso futebol rasteiro, prepotente e, acima de tudo, auto-sabotador, para a realidade dura que vivemos. Hoje o mérito é total do Independente, uma equipe competente, que soube vencer com o que tinha. Acordem!
Desde o Icasa, na Série C de 2009, o castelo de areia em que os nossos dirigentes insistem em nos convencer que seja o futebol paraense começou a ruir, as máscaras caem, e os nossos clubes vão junto. Até quando? Até quando o Paysandu, 44 vezes campeão paraense, duas vezes campeão brasileiro da Série B, única presença do norte na Libertadores da América, vai continuar a entrar na história pela porta dos fundos?

OQFNFDS #2

Também não quer ficar em casa? Então olha O Que Fazer No Fim De Semana #2.
Fonte: Guiart
NUA IDEIA Esse é o nome do show da bela Juliana Sinimbú, comemorando seus cinco anos de carreira. A cantora e (agora) compositora continua homenageando grandes nomes da MPB, como Cartola, Tom Zé e Roberto “Beija-Flor” Carlos, porém com um ingrediente mais intimista às suas apresentações. Elogiadíssimo, o show “Nua Ideia” conta com vários convidados, como Aíla Magalhães e Lia Sophia.
Quando: todos os sábados de junho, 19hs | Quanto: R$ 0 | Onde: SESC Boulevard (Av. Boulevard Castilhos França 522. Campina (em frente a Estação das Docas)

KUNG FU Lembram do Po? É, aquele panda fera nas artes marciais? Agora ele é um Dragão Guerreiro, e vai ter que lutar contra o malfeitoso Lorde Shen, para salvar o kung fu (e a própria China). E para isso, Po terá que voltar às suas origens e ir aos limites de seu conhecimento. “Kung Fu Panda 2” está em cartaz nos cinemas da cidade, e é uma ótima pedida pro fim de semana. Confiram!

Quando: Hoje, amanhã, até sair de cartaz | Quanto: depende do cinema | Onde: idem

FAKE PARTY O Café com Arte vai ser o lugar de quem quer ser outra pessoa esta noite. É a “Toda Fake Party”, uma balada onde a galera pode ser quem quiser, levar os amigos e curtir muita música eletrônica, com DJs consagrados na cena, além de novos talentos, na última festa do semestre. Boa pedida de curtição pra noite de sábado. E tirem as crianças da sala, a festa é só para quem é “de maior”.

Quando: Hoje (25), 22h | Quanto: R$ 15 (antecipados até 0h) e R$ 20 (a partir de 0h) | Onde: Café com Arte (Tv. Rui Barbosa, entre Nazaré e Bráz de Aguiar, 1437)

MISTÉRIO Pra quem gosta de suspense, uma opção é passar aqui na Campina, pertinho de casa, pra conferir a peça-filme “O Misterioso Desaparecimento de Deborah Rope”, no Espaço Cuíra. Com uma mistura de personagens reais e virtuais, a história de Saulo Sisnando envolve romance, sedução, tramas psicológicas e uma boa dose de mistério.

Quando: Todos os sábados e domingos do mês, 21hs | Quanto: R$ 20 (com meia para estudantes) | Onde: Espaço Cuíra (Rua Riachuelo, esquina com Tv. 1º de Março)

É CAMPEÃO Amanhã é dia de soltar o grito de campeão paraense de 2011. Paysandu ou Independente, um dos dois times sairá do Mangueirão com a taça erguida, depois de um empate no 1º jogo, em Tucuruí, por 2 a 2 no domingo passado. Quem vencer leva, e um novo empate é sinônimo de pênaltis. Papão em busca do tri, o 45º caneco, e Galo Elétrico, pronto pra ser o 1º time do interior campeão. Promessa de jogão? Claro que não. Afinal, é futebol paraense…

Quando: Amanhã (26), 16hs | Quanto: R$ 15 (arquibancada) e R$ 50 (cadeira) | Onde: Mangueirão (ou na sua casa, ligando na TV Cultura)

MAIS PAVULAGEM Amanhã rola o 3º Arrastão Junino, saindo da Escadinha do Cais do Porto, até a Praça da República. Acho que você já foi a algum ao contrário de mim e sabe o quanto é bacana. Acorda cedo e vai!


Artistas paraenses fazendo barulho na terra alheia

2ª edição do festival Terruá Pará começou ontem, em São Paulo, e abriu espaço para a nossa música. Evento encerra hoje.

Gustavo Ferreira
Fonte: R7

Terruá: do francês “terroir”, que significa algo como “aquilo que é da terra”. Nome acabocado e muito apropriado ao festival que tem no DNA a difusão da cultura papa-chibé em todo o país. Esse é o Terruá Pará, que em sua 2ª edição (a 1ª foi realizada em 2006), reúne no Auditório Ibirapuera, em São Paulo uma constelação de artistas parauaras, do carimbo ao tecnomelody, provando que o nosso estado pode ser mais do que o “lugar onde matam gente no campo”.
O evento, promovido pelo Governo do Estado, começou na noite de ontem com o grupo Uirapuru, levando o puro carimbo para os mais de dois mil presentes ao Auditório. Depois as cortinas subiram, e foi a vez do folclórico Sebastião Tapajós, acompanhado do Trio Manari e da Orquestra Juvenil de Violoncelistas da Amazônia, com números instrumentais de muito bom gosto.
Mas foi com a entrada de Dona Onete, setentona, uma espécie de Gaby Amarantos no fim do século, que o público levantou da cadeira. A mulher dançou, dançou, dançou mais ainda, e não parava de dançar. Mostrando um vigor de menininha, a cantora empolgou a todos com seu carisma, acompanhada das meninas do Charme do Choro, lindas e talentosas.
BATIDÃO Depois de Paulo André Barata, que homenageou o pai, o grande Ruy Barata (se estivesse vivo, completaria 91 anos), a cantora Lia Sophia subiu ao palco, e com ela o cenário ganhou tons mais alegres e vibrantes, como é a nova música paraense.
E a festa ficou amais animada com a chegada do batidão da Gang do Eletro (que, sinceramente, eu NUNCA ouvi falar), do brega clássico do “pirangueiro” Edilson Moreno e da nossa Beyoncé (estamos bem servidos, né?), Gaby “CHAAARQUE” Amarantos, e aí o povo no Auditório Ibirapuera já não cabia mais nas cadeiras.
No final, o grupo Uirapuru voltou ao palco, fechando a noite como abriu, ao som de muito carimbo. Carimbó que contagiou as pessoas do lado de fora, após o encerramento da primeira noite do Terruá. Hoje é a última noite do festival, com transmissão ao vivo pela TV Cultura, a partir das 21hs, e pelo portal do Terruá Pará na internet.