Corintiano é preso, fogo queima e água molha

Ex-jogador, revelado no Corinthians foi detido nesta quinta, em distrito especial para caloteiros de pensão. Quem aí achou o pleonasmo da frase?

Fonte: G1, com informações do Estadão.com
Zé Elias, um homem que não nega as origens.
(Foto: Divulgação)
Nesta quinta, 21, o ex-jogador Zé Elias, apresentou-se à polícia, após receber um mandado de prisão por não pagar a pensão aos dois filhos que tem com Silvia Regina de Castro. Zé Elias, revelado pelo Corinthians (claro!) no início dos anos 90, que já tinha passagem pelo Bayer Leverkusen (ALE) e até pela Seleção Brasileira, nas Olimpíadas de Atlanta, em 96, agora tem passagem pelo 33º Distrito Policial de Vila Mangalot, em Pirituba, São Paulo.
A delegacia é especializada em casos de não-pagamento de pensão. Além do ex-jogador, mais 61 caloteiros estão confinados em seis celas. Sozinho, Zé Elias não vai ficar. Talvez até se identifique, e tenha bastante papo com os companheiros detentos. Principalmente se o assunto for o Timão, time do coração da maioria deles.
Segundo a Divisão, ao site Estadão, o valor devido pelo ex-jogador é de R$ 932.577,733, não pagos da pensão entre maio de 2008 e maio de 2010. A advogada do craque, Rita de Cássia Alves Moura, tentará um habeas corpus nas próximas 48 horas, e justificou dizendo: “O valor que ela está pedindo é incompatível com a realidade financeira atual dele”, ao Globoesporte.com. Corintiano, preso, sem grana…

COPA 2014: Sem limites, sem respeito e sem "meia"

Projeto de lei quer impedir meia-entrada em jogos do Mundial.

Fonte: JB (com informações do blog Marketing no Esporte)
Parece que poucos ganharão com a Copa do Mundo em 2014, no Brasil. Um projeto de lei (a Lei Geral da Copa), apresentada pelo Ministério do Esporte, sob análise da Casa Civil, prevê a não-adoção do desconto da meia-entrada nos ingressos, que podem variar de R$ 150 a R$ 1.500 (preços estimados com base nos ingressos da última Copa, na África do Sul, 2010).
A medida teria sido tomada após exigência da Mãe-Fifa, que define as taxas dos ingressos, com “ausência de gratuidade ou meia-entrada”. O atual ministro dos Esportes, de Orlando Silva Jr, é ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), a maior defensora do direito ao desconto no ingresso em eventos. Após ser concluída pelo governo ela ainda terá que ser enviada ao Congresso Nacional, que tem o poder de modificá-la.

A possibilidade do veto ao direito da ‘meia’ é um absurdo”, disse Augusto Chagas, ex-presidente da UNE, ao site Congresso em Foco. A instituição já divulgou que promete brigar pela liberação da meia-entrada durante o Mundial, por entender que é um direito nacional adquirido.