Os números e o perfil da blogosfera brasileira

Você sabia que 14% dos blogs do Brasil vêm de São Paulo? E que apenas 1% dos acessos é destinado a páginas que falam de cultura e educação? Estes e outros dados são resultado de uma pesquisarealizada no primeiro semestre de 2012, pela empresa de Tecnologia de Publicidade & Mídias Sociais Boo-box, com dados de 80 milhões de usuários em todo o país. Esta análise mostra que a blogosfera verde-e-amarela é maior e mais diversa do que imaginamos. O Repórter E bateu um papo com alguns blogueiros, sobre o perfil de quem cria e alimenta espaços como estes na internet.
RISOS Segundo a pesquisa da Boo-box, a audiência nacional tende ao humor, que corresponde a 17% do interesse dos leitores. E um dos caras que mais sabe fazer rir na web é Duda Rangel. Criador do blog Desilusões Perdidas, Duda faz piada com a vida que escolheu pra si, a de jornalista, e ao invés de assustar os futuros comunicólogos, acaba ganhando fãs, mostrando que, mesmo trágica, a vida pode ser bem divertida.
“Desilusões Perdidas” mostra o jornalismo como ele é,
e faz sucesso na blogosfera. (Imagem: Divulgação)
Para Duda, o humor é tendência em várias mídias: “ele tem um poder grande de atração em vários segmentos da comunicação, na televisão, no cinema, na propaganda, até no horário eleitoral gratuito. Na blogosfera, não seria diferente. As pessoas buscam este tipo de entretenimento, querem rir, aliviar a tensão”.
Também segundo o blogueiro, o Desilusões Perdidas nasceu para falar de temas sérios com leveza e graça. “Sempre achei o debate sobre o jornalismo e a vida do jornalista muito sisudo, chato. Um porre. Gosto de gente que consegue fazer humor com temas mais sérios, como Woody Allen, Philip Roth etc. O blog quer fazer o leitor rir e, ao mesmo tempo, refletir. É possível combinar as duas coisas”.

INSTINTO COLETIVO Muitos acham que não dá certo, muitos fazem dar certo. O fato é que blogs formados por mais de um autor são uma chance de se mostrar vários talentos em um lugar só. É o caso do blog Os Apocalípticos, formado por 19 calouros de Comunicação Social da Universidade Federal do Pará (UFPA), um espaço experimental onde a crítica diversificada é fundamental, e escrever com pessoas que pensam diferente é um desafio saudável, na opinião de Emanuele Correa, uma das editoras.

“Os Apocalípticos”, laboratório para calouros de Comunicação Social da UFPA.
(Imagem: Divulgação)

Mesmo com 4 meses de greve, Emanuele garante que os estudantes não ficaram parados, por conta do blog, e estimula outros a fazerem o mesmo: “Os Apocalípticos já têm estágios em nossa área e graças ao blog ninguém chegou sem habilidades práticas. O blog é um espaço incrível, eu incentivo outras pessoas a criarem os seus, a escolherem assuntos, a exercitarem o que aprendem na faculdade, exercitarem o senso crítico. É claro, sempre buscando fazer o melhor, mas com respeito à informação e aos seus leitores”.

Tiê, de apenas 16 anos, é um dos
“Fragmentos” do blog de entretenimento.
(Foto: Divulgação)
QUANTO MAIS JOVEM… A pequena Tie Okajima, de 16 anos, também faz parte de um grupo blogueiro, que escreve o Fragmentos.  Estudante de ensino médio, Tie ainda esta fora da faixa etária mais ativa, segundo a Boo-box (50% da audiência está entre os 18 e 24 anos), mas ressalta a participação da juventude na blogosfera: “É bom ver que os jovens estão tomando iniciativas e ingressando cada vez mais nesse mundo. Isso mostra que a juventude não está completamente fechada em sua ‘bolha’, presa em seu mundo de novas experiências, sempre achando que já sabe tudo. Os jovens estão querendo expor suas opiniões, seus pensamentos, querem fazer parte de algo”.

COLHENDO FRUTOS Robson Heleno é estudante de Direito da UFPA, e há dois anos escreve o blog Súbito Objetivo. Durante esse tempo, aprendeu a lidar com o julgamento dos leitores, positivos a cada post novo, conta com a fidelidade dos leitores, e se sente feliz ao pôr suas ideias, metáforas e expressões imaginadas no papel. Ou melhor, na internet. E foi assim que Robson conseguiu o 2º lugar na categoria Crônica do Prêmio Proex de Literatura, iniciativa da UFPA que valoriza a produção da comunidade acadêmica, e que resulta em uma Antologia, a ser publicada ainda este ano.
Robson começa a colher os frutos do blog
“Súbito Objetivo”, que completou dois anos
na semana passada. (Foto: Divulgação)
Para ser sincero, foi uma conquista inesperada. Ano passado eu havia participado com um texto que eu considerava bom, e ele sequer foi publicado. Esse ano eu tentei melhorar o estilo, refinar as metáforas, escrevi um texto que considero ser o melhor que já escrevi até hoje”, diz o estudante, que ainda destaca o que representou esta conquista: “Posso dizer que representa muito pra mim. Não raras foram as vezes que pensei em encerrar as atividades com o blog, parar com essa brincadeira de escrever. Contudo, devo reconhecer que, após saber dessa conquista, ganhei o maior dos incentivos para seguir escrevendo. Hoje tento me empenhar mais a cada texto”.
Anúncios

SuBiu

A derrota mais comemorada da história recente do Paysandu, de volta á Série B.

Quem disse que não se comemora uma derrota? Explica isso aos torcedores do Paysandu, que hoje viveram os noventa minutos mais felizes desde a vitória sobre o Boca Juniors em La Bombonera. Lá se vão mais de nove anos…
Desde a Libertadores histórica, como o bicolor sofreu! Decepções estaduais, goleadas humilhantes, rebaixamentos e tentativas frustradas de sucesso. Hoje foi diferente. O sábado mais aguardado do ano começou oito dias atrás, desenhado pelo torcedor da Fiel como o dia da redenção, da esperança, da vitória.
A temporada foi instável. Insucesso no Campeonato Paraense, anestesiado pela inédita classificação na Copa do Brasil, com direito à goleada sobre o Sport. Mais uma vez, o Paysandu chegou à Série C como favorito, e mais uma vez assombrado por fantasmas nordestinos de 2009, 2010 e 2011. Seria como antes? Mais uma morte na praia?
A campanha, marcada por um início bom e uma série de empates, deixou a impressão de que o Paysandu não iria a lugar nenhum. É, não seria dessa vez! A classificação veio apenas no último suspiro da primeira fase, e quis o destino que o caminho se desenhasse da maneira mais torta possível.
A vaga estava entre o Papão e o Macaé, instável, porém líder do grupo. A decisão seria no interior do Rio de Janeiro, mas o jogo de ida também seria longe de Belém. Deu certo. A vitória por 2×0 valeu bem mais do que a vantagem numérica. Foi a melhor apresentação do time no campeonato, e foi a prova de que sim, a chance era real.
O jogo de hoje foi sofrido, brigado, cheio de reviravoltas. Uma derrota que, no fim das contas, valeu bem mais do que quaisquer três pontos. O Macaé tentou ser mais um na lista de clubes sem expressão, que o Paysandu ajudou a consagrar. Venceu a partida mais importante de seus apenas 22 anos de existência. Mesmo assim, quem saiu vencedor hoje foi o time que fez por merecer.
O Paysandu está de volta à Série B do futebol brasileiro, e leva junto todo o futebol de um Pará sem Copa, de times tradicionais obsoletos pela incompetência e pelo descaso. Leva também o Norte de volta ao grupo dos 40 melhores times do país. Entretanto, mais importante do que tudo isso, o Paysandu fez subir a esperança de um futuro mais organizado, limpo, responsável. Afinal, nesse dez de novembro, a esperança é alviceleste.
GUSTAVO FERREIRA, 20, apaixonado torcedor do Paysandu.