Registros da fé: pessoas que ajudam a eternizar o Círio

Um cineasta, uma jornalista e um estudante falam da experiência de contar e guardar a Festa para a posteridade
Gustavo Ferreira
Círio, um momento para eternizar. (Foto: Divulgação)
O Círio de Nazaré é, sem dúvidas, uma das maiores experiências da vida de quem vê a berlinda passar pelas ruas e rios de Belém. Momentos que ficam guardados para sempre na memória de milhões de pessoas. O cineasta Fernando Segtowick fez mais, e fez do seu registro do Círio do ano passado um documentário. “No movimento da fé” (assista ao trailer) foi gravado durante a grande procissão, desde as primeiras horas do domingo, e Fernando pôde acompanhar vários momentos, como a preparação dos voluntários da Cruz Vermelha e o trabalho dos Guardas da Festa.
Fernando acompanha o Círio sozinho desde os 15 anos, e hoje, aos 42 anos, o diretor do premiado curta-metragem “Matinta” (2010) e de outros trabalhos como o curta “Dias” (2000) conta que tentou mostrar em “No movimento da fé” a intensidade da Festa, em especial para os voluntários: “Eles estão ali para fazer o Círio acontecer, mas também se envolvem, se emocionam. Eu queria mostrar essa dualidade de uma operação de guerra e uma procissão de fé, o Círio para mim é isso”.
O cineasta Fernando Segtowick. (Foto: Divulgação)

AO VIVO Além dos milhões de romeiros e devotos que acompanham a passagem da imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré pelas ruas de Belém, outros milhões também têm a oportunidade de ver e se emocionar com a procissão pela televisão. Levar o Círio para os lares de todos os cantos do Pará é o desafio de Arcângela Sena. A jornalista trabalha na TV Liberal há 14 anos, e desde 2008 coordena a cobertura da festividade e da grande transmissão do domingo.
“Ao mesmo tempo em que levamos aos milhares de lares paraenses a imagem da devoção e da fé do povo, não podemos nos esquecer de que somos jornalistas e antes de tudo passamos informação. O Círio não é visto apenas por católicos e sim por pessoas de todos os credos, e é justamente esse o grande desafio de fazer uma transmissão imparcial, informativa”, afirma Arcângela, hoje editora-chefe do Jornal Liberal 1ª Edição.
Arcângela Sena, jornalista da TV Liberal. (Foto: Divulgação)
Católica, a jornalista sempre arranja um tempo de ver Nossa Senhora bem de perto, quando a berlinda passa em frente ao prédio da emissora, na Avenida Nazaré: “A gente sempre dá um jeitinho, nem que seja por 30 segundos, tempo de um comentário dos apresentadores ou de imagens com sobe som da procissão”.
PARA TODOS No Círio, a sensação é de que quanto mais pessoas nas ruas, mais há espaço para todos que queiram guardar uma lembrança, sejam profissionais ou não.  Antonio Macêdo é estudante de Publicidade e Propaganda, e fez vários registros fotográficos do Círio 2011 junto com alguns colegas da UFPA. Na ocasião, eles tiveram a oportunidade de acompanhar os grandes eventos do fim de semana, desde o Auto do Círio, na sexta, até o domingo. “Aprendemos a como definir o foco do ensaio fotográfico pra que a gente não saísse fotografando a esmo, estudamos sobre fotografia noturna, abordagem em pessoas desconhecidas, como proteger o equipamento, lanche, água, mochila, tênis e coragem. A saída me rendeu algo em torno de 1000 fotos”, conta.
Antonio Macedo, estudante de Publicidade. (Foto: Acervo Pessoal)
Por motivos pessoais, Antonio não pôde ir à procissão de 2012, e neste ano ainda não sabe se vai conseguir, por conta do TCC. Mesmo assim, ele lembra bem do que captou com a lente de sua câmera há dois anos: “O que eu procurei registrar foi o sentimento. Muitas vezes era a dor, o sofrimento, em outras era a solidariedade, a ajuda, a entrega. Todos os sentimentos pautados em uma coisa maior que pode ser aceita como ‘fé’. Não necessariamente a fé na imagem peregrina, mas a fé no sacrifício, a fé em entender que o sacrifício é necessário pra ‘pagar’ uma benção”.
VEJA ALGUMAS FOTOS DE ANTONIO MACEDO:

E essa fé é maior do que qualquer câmera pode registrar. Na opinião de Fernando Segtowick, o Círio é “a emoção das pessoas, a cidade envolvida por aquela multidão, são muitas imagens, é difícil resumir em uma só”. Para Arcângela, dentre todos os momentos da procissão, um é o mais especial:” eu sempre fico comovida com o final da procissão, quando as pessoas erguem as mãos para pedir a benção de Nossa Senhora. É como se ali, elas depositassem todas as suas esperanças, aflições, pedidos e tivessem certeza de desejos realizados”.

Bio – Ana Carolina Souza



Jornalista, blogueira, escritora e criativa. Essa jovem de apenas 22 anos já viveu na Inglaterra e vê na Disney seu quintal e campo de estudos. Atualmente, é uma das mentes por trás do Festival Audiovisual de Belém, que começa hoje e vai até sexta-feira no Cine Olympia. Com vocês, Ana Carolina Souza.
NOME COMPLETO
Ana Carolina Almeida Souza

DATA DE NASCIMENTO
14/12/1990

ONDE NASCEU
Belém – PA

ONDE VIVE
Ananindeua – PA

O QUE JÁ FEZ
Sou formada em Jornalismo pela Unama. Ganhei o prêmio de Trabalho de Conclusão de Curso, pela minha pesquisa em experiência no audiovisual, pós-modernidade e teoria dos contos de fada. Fui à Disney 4 vezes nos últimos três anos, pois trabalhava como guia, já fiz intercâmbio na Inglaterra, publiquei um livro “A Irmandade das Olivias. Já tive cinco blogs (hoje só um sobrevive). Já escrevi uma peça de teatro, e adaptei duas obras para peças de teatro.

O QUE FAZ
Coordenadora e responsável pelo Marketing do CLIC, Assessoria de Imprensa para o Festival de Audiovisual de Belém. Corro contra o tempo para passar no mestrado. Escritora em tempos de inspiração e blogueira.
POR QUE FAZ
Porque não sei ficar parada. Porque adoro conhecer pessoas novas, lugares novos e novas ideias.
O QUE GOSTARIA DE TER FEITO
Viajado mais vezes para a Disney. (risos) Há alguns meses eu diria “ter passado no mestrado no ano passado”, mas acho que agora é a hora.
O QUE AINDA QUER FAZER

Ser a principal referência brasileira em estudos da Disney e Teoria dos Contos de Fada. Viajar o mundo todo. Trabalhar para Disney, publicar toda a saga da “Irmandade das Olivias” e outros livros.

Vlogue em clima de Círio 2013

O Vlogue está de volta, depois de uma pequena pausa por motivos acadêmicos/profissionais, e não há época melhor. Estamos em setembro, faltam apenas 4 semanas para o Círio de Nazaré. A festa que vai traze mais de 2 milhões de pessoas e 900 milhões de reais para os nossos cofres. A festa feita por romeiros e voluntários. A festa que começa nas casas de cada paraense. Confiram o Vlogue especial, na cobertura do Repórter E do Círio 2013. 
Veja também o vídeo que o Repórter E fez em homenagem ao Círio de Nazaré:

Cruz Vermelha abre vagas para voluntários no Círio 2013

Grupo vai auxiliar turistas e realizar atendimentos de urgência durante as procissões de outubro.

Gustavo Ferreira, com informações do G1 PA
Voluntários da Cruz Vermelha no Círio 2012; foram mais de 12.500 no total. (Foto: Camila Lima / O Liberal)

Ajudar a quem precisa. Esse é o papel dos voluntários da Cruz Vermelha no Círio de Nazaré. A estudante universitária Brenda Maciel viveu essa experiência em 2012, quando achou que era a hora certa: “Por ser um trabalho que exige força, dedicação e percepção não achava que já podia carregar uma responsabilidade como essa nos anos anteriores. No ano passado eu decidi ir, porque finalmente senti essa vontade forte de ajudar, de acompanhar os fiéis bem de perto e perceber a emoção que eles sentiam quando venciam as barreiras da dor e do cansaço”, diz.
Brenda era uma das mais de 12.500 pessoas que trabalharam nas romarias do Círio em 2012. As equipes da Cruz Vermelha atenderam 1.968 pessoas apenas na grande procissão do domingo, sendo a maioria vítimas de desmaios de romeiros durante as caminhadas.
Se você quiser se juntar a esse grupo em 2013, as inscrições já estão abertas. Basta ter acima de 15 anos (desde que autorizados pelos pais), pagar uma taxa de R$ 50, que inclui custos com o uniforme, alimentação e seguro, e levar documentos de identidade originais. Os treinamentos já começam no próximo dia 19, com aulas pela manhã, à tarde e à noite. Em 2013, a Trasladação acontece no dia 12 de outubro, e o Círio no dia 13.
Brenda Maciel, voluntária em 2012.
(Foto: Arquivo pessoal)
VOLUNTARIADO Brenda diz que, apesar do grande cansaço após a maratona, vale a pena presenciar a fé dos milhões de romeiros presentes nas procissões. “Acho que não importa a religião, ou mesmo se você não tiver religião, como foi o caso do meu namorado que não tem e mesmo assim foi ser voluntário junto comigo e achou o máximo. Sabe aquele olhar cansado acompanhado por um sorriso de satisfação? Aquele semblante que tens quando no fim deu tudo certo e a missão foi cumprida? É isso! Não tem como pagar. É tão bom e recompensador que dá vontade de ir todos os anos”, conta.
E essa vontade é tanta que a estudante de Jornalismo já pensa no mês que vem: “É claro que quero participar em 2013 e quantas vezes eu puder. Depois de ter sido voluntária pela primeira vez eu sinto que nunca mais vou passar o Círio como espectadora. Se eu não estiver trabalhando na cobertura jornalística, com certeza eu estarei lá como voluntária da Cruz Vermelha mais uma vez, com todo prazer!”.
SERVIÇO Para ser um voluntário da Cruz Vermelha no Círio 2013, você precisa ter mais de 15 anos, bom estado físico, pagar uma taxa de R$ 50 e levar seus documentos de identidade originais na sede da CV – Av. Gentil Bittencourt, 1840, Nazaré. Mais informações pelo telefone (91) 3226-2554.