Bio – Natália Viana


Natália Viana (Foto: Divulgação)
Falar de moda em Belém é a mais nova tendência, mas essa jovem já fala – e faz – moda há pelo menos seis anos, com diploma de graduação e sua marca própria, a Quiquiriqui. Aos 26 anos, ela mescla o romantismo de suas peças com a força de uma gestora que pensa no futuro. Por isso, ela é uma das convidadas para o #NósCompartilha, bate-papo sobre moda e internet que acontece amanhã (28) aqui em Belém. A Bio de hoje é da estilista Natália Viana.
NOME COMPLETO
Natália Viana da Mota
DATA DE NASCIMENTO
01/09/1987
ONDE NASCEU?
Belém/PA
ONDE VIVE?
Belém/PA
O QUE JÁ FEZ?
Sou Formada em Bacharelado em Moda pela Universidade da Amazônia (Unama) desde 2010, fui da primeira turma do curso. Mantive um blog chamado Ideias Vestíveis em 2011, onde escrevia sobre a moda local, juntamente com meu namorado, que é fotógrafo.
O QUE FAZ?
Sou estilista e desde 2007 mantenho a marca de roupas própria Quiquiriqui. Comecei durante a faculdade, e desde então é o que venho fazendo. Sou apaixonada pelo meu trabalho e não sei fazer outra coisa. Atualmente também faço Pós Graduação em Gestão Empresarial na Unama.
POR QUE FAZ?
Porque é o que me faz feliz e cada roupa que faço estou realizando um sonho. A Pós é muito importante para me especializar, para me ajudar a crescer com a marca, porque eu quero que ela cresça muito! E preciso estar preparada para enfrentar qualquer desafio que possa surgir.
O QUE GOSTARIA DE TER FEITO?
Gostaria de ter aprendido a tocar violão, guitarra, bateria… Haha Eu não vivo sem criar roupas e sem música! A minha vida é muito musical.
O QUE AINDA QUER FAZER?
Agora sim, aqui é uma lista enorme, mas vou deixar mencionados alguns dos meus sonhos atuais: me tornar uma costureira de mão cheia, quero e vou aprender a costurar minhas próprias roupas. Quero levar a Quiquiriqui para lugares como Argentina e Montevidéu, e se possível estudar em algum destes lugares para fazer mestrado. Quero me encher cada vez mais de coragem para continuar fazendo o que faço, tornar a marca algo maior do que poderia imaginar.

A Belém do passado em fotos e nostalgia

Fan page “Nostalgia Belém” reúne imagens que contam a história da cidade e faz sucesso na internet

Gustavo Ferreira
Forte do Castelo no início dos anos 80. Uma das raridades do acervo do Nostalgia Belém.
(Foto: EDICARD / Nostalgia Belém)
Você se lembra de como era o Cine Iracema? E o Edifício Manoel Pinto da Silva ainda em construção? Mesbla? O famoso Grande Hotel antes da demolição para dar lugar ao atual Hilton? Se você lembra ou não, existe um lugar na internet que te faz viajar por essas e outras lembranças da capital paraense. É a fanpage Nostalgia Belém, que tem como principal objetivo reviver as gerações passadas por meio de fotos e artes.
Robson Santos, publicitário
saudosista.
(Foto: Acervo pessoal)
A ideia surgiu do gosto do publicitário Robson Lima pela memória e pelo passado. “Sempre tive esse fascínio de ir atrás de imagens antigas. Lembro que antes de ter um computador, iria muito ao CENTUR, apenas para pegar os jornais antigos e ficar vendo. Também colaborou a curiosidade de saber como uma rua era há 60 anos atrás, por exemplo”, diz o publicitário.

SAUDOSISTAS O acervo de fotos na página já conta com mais de mil imagens, algumas delas do arquivo pessoal de Robson, outras do IBGE e do Arquivo Nacional, além de revistas e jornais antigos e, claro, da ajuda de colaboradores: “Como a página possui um alcance grande, diversas pessoas nos mandam fotos de acervo pessoal ou postais antigos e isso enriquece demais o nosso acervo”. Você também pode colaborar, enviando suas fotos para o e-mail nostalgiabelem@gmail.com.

42.968. Esse é o número de curtidas (atualizado às 17h52) que a fan page recebeu desde que foi criada, em maio de 2012. O sucesso inicial foi tamanho que, no final de julho do mesmo ano, nasceu o blog. “Acredito que a página desperta muito a curiosidade das pessoas e também o fascínio pelo fato de que Belém era muito mais bonita. Também creio que o sucesso se deve ao fato de todo dia postamos algum material, e com isso fidelizamos o público”, afirma Robson.
Bem antes do BRT, essa é a Av. Tito Franco, atual Almirante Barroso.
(Foto: Acervo)
FESTA E é para esse público fã de nostalgia que vai rolar no próximo sábado (26) uma grande festa que contará com a presença de DJs e da banda Acordalice. Mais informações sobre reserva de mesas e preços? Clique aqui. Durante a festa, serão exibidos vídeos e fotos antigos da cidade.
Registros de uma Belém que sofreu mudanças significativas, mas que nunca vai deixar de ser a velha cidade do menino Robson: “Belém possui uma magia que quem mora aqui sabe do que estou falando. Lembro de quando estudei no Gentil Bittencourt, por exemplo, ia no Cine Nazaré e Palácio, da Avenida Nazaré com a mão invertida… Enfim, tudo isso lembra a minha infância”.

Números e imagens do Círio 2013

Assista ao vídeo especial feito pelo Repórter E com registros do fim de semana de Nazaré em Belém

Gustavo Ferreira, com informações do G1 Pará
2 milhões e 100 mil pessoas. Esse é o número – recorde – estimado pelo DIEESE de quantos romeiros participaram da grande procissão do Círio de Nazaré em Belém, no último domingo (13). Na Trasladação do sábado anterior, o número chegou a 1 milhão e 400 mil fieis que seguiram a Berlinda com a imagem peregrina de Nossa Senhora.
Na Romaria Fluvial, também no sábado, 500 embarcações seguiram a corveta Garnier Sampaio, que levava a imagem pelas águas da Baía do Guajará. 50 mil pessoas estiveram ali, navegando e orando pela Padroeira do Pará. Logo depois, a Motorromaria fez as ruas de Belém tremerem com o barulho ensurdecedor de 18 mil motos, que levavam 40 mil romeiros.
Imagem de Nossa Senhora de Nazaré recebe homenagem em forma de chuva de papel picado.
(Foto: Ingrid Bico / G1 PA)
Muita gente, muito trabalho para a Cruz Vermelha, que realizou, apenas no domingo do Círio, 2.316 atendimentos e 42 remoções para hospitais de Belém. A grande maioria foi vítima do calor e da desidratação durante a romaria, que durou 6 horas.
Com esses números, podemos ter uma dimensão da grandeza da maior manifestação de fé católica do povo paraense. Manifestação que não se restringe aos católicos, mas abraça aqueles todos que têm fé na recuperação, na vitória, no amanhã. Apenas números não são capazes de explicar o que é isso que acontece em Belém nesses dias. Mais do que ver números, é preciso ver as pessoas, as promessas, a Berlinda, os fogos no céu.

O Repórter E encerra a cobertura especial do Círio 2013 com uma reunião de imagens, registros feitos por parceiros, pessoas que dividiram suas experiências de estar bem perto do que chamam “rio de gente”. 

Trilha sonora de Nazaré

A cinco dias da grande romaria, o Repórter E lista cinco músicas que falam de fé e devoção a Nazinha

Gustavo Ferreira

Fafá de Belém, uma das grandes vozes do Círio. (Foto: Reprodução / Google)

Círio é oração, é turismo, é gastronomia e, também, música. A cidade já vive mais intensamente o clima da festa, a cinco dias do segundo domingo, e esse clima é uma construção conjunta de sentidos. O cheiro da maniçoba, as cores das fitinhas, o brilho das luzes do Arraial e as notas de várias canções que vestem cada católico ansioso, como o manto sobre a imagem peregrina. O Repórter E resolveu preparar uma lista de cinco dessas músicas. Dá o play!

“CÍRIOS”
Composição: Vital Lima / Marco Aurélio

Não há, talvez, uma descrição tão bela para esta época do ano do que os versos de “Círios”, escritos por Vital Lima e Marco Aurélio. Nessa canção, toda a beleza e novidade do Círio de Nazaré são apresentadas por uma mãe a seu filho, um menino, que está prestes a descobrir que o mundo, em outubro, é Belém.
“NOS RUMOS DA BERLINDA”
Composição: Padre Fábio de Melo

Nesta música, Padre Fábio de Melo, um apaixonado pelo Círio de Nazaré, segue o caminho desenhado pela berlinda, pelas ruas de uma cidade feita por um “povo que luta e não desiste de sonhar”. Ele se coloca no rumo da imagem, que segue entre os romeiros todos os dias, em todos os cantos onde há fé e devoção. “Em todos os lugares se encaminham procissões”.
“NAZARÉ (ZOUK DA NAZA)”
Composição: Almirzinho Gabriel

“Naza! Nazarezinha! Nazaré rainha! Nazaré!”. Talvez esse seja o refrão mais conhecido do cancioneiro popular em homenagem a Nossa Senhora. O ritmo animado e a intimidade com que Almirzinho Gabriel fala da padroeira do Pará fazem do “Zouk da Naza” uma das músicas mais tocadas quando chega outubro.
“FESTA DO CÍRIO DE NAZARÉ”
Composição:
 Aderbal Moreira, Dario Marciano E Nilo Esmera Mendes

O Círio de Nazaré já foi enredo de escola de samba no carnaval carioca. E duas vezes. Lá no longínquo 1975, a Unidos de São Carlos levou a nossa festa para a festa deles, homenageando a Rainha da Amazônia. 29 anos depois, foi a vez da Viradouro reviver o clássico, na voz de Dominguinhos do Estácio, devoto fervoroso de Nossa Senhora, que eternizou em sua voz o samba-enredo que virou um dos hinos do Círio.
“CÍRIO OUTRA VEZ”
Composição: Padre Fábio de Melo
A vida fez nascer o mês de outubro. Tempo de descobrir uma graça bem maior, que nos faça voltar no tempo e sermos meninos, e ao som do sino ver a vida amanhecer. É Círio outra vez!
FAIXA BÔNUS
“EU SOU DE LÁ”
Composição: Padre Fábio de Melo

A mais nova das canções foi lançada em 2012. Outra composição de Padre Fábio, essa letra ganhou a força da voz de Fafá de Belém. Em julho, “Eu Sou De Lá” foi cantada por Fafá para o Papa Francisco, no Rio de Janeiro, durante a Jornada Mundial da Juventude, representando o Círio de Nazaré, uma das maiores celebrações de fé do planeta. Ouça e tenha certeza de que todos somos daqui. 

Nazinha visita a UFPA

Pelo 5º ano, comunidade acadêmica homenageia Nossa Senhora de Nazaré com romaria e missa, e o Repórter E acompanhou de perto

Gustavo Ferreira

Fieis recebem Nossa Senhora de Nazaré na UFPA. (Fotos: Gustavo Ferreira)
A última sexta-feira (4) foi especial para a comunidade acadêmica da Universidade Federal do Pará (UFPA). A instituição recebeu a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, evento que já faz parte do calendário oficial do Cìrio. Este foi o 5º ano que um grupo de servidores promove o Círio na UFPA, que teme como tema em 2013 “Todos unidos pela fé”. 
A saída da procissão foi do Hospital Bettina Ferro, no campus do Guamá. Após ser levada a todos os setores do hospital, a imagem foi homenageada por um coral de crianças atendidas pelo Serviço Caminhar, projeto que realiza diagnósticos e acompanhamento clínico a jovens com problemas de desenvolvimento físico, motor e outras síndromes. Além dessa, várias outras homenagens foram prestadas ao longo do caminho. 
A corda puxada por fieis e pela ajuda de dezenas de homens e mulheres, vindos de várias paróquias da cidade, foi guiada por um trajeto que passou por institutos, pelo Restaurante Universitário, Reitoria, até chegar ao Vadião, onde foi recebida pelo reitor da UFPA, Carlos Maneschy. Lá, uma missa celebrada pelo arcebispo emérito de Belém, Dom Vicente Zico, encerrou a festividade. 
O Repórter E acompanhou cada momento da romaria, que envolveu mais de 500 pessoas, e emocionou quem teve a oportunidade de estar mais perto de Nossa Senhora de Nazaré. A reportagem você confere agora: 

Veja uma GALERIA de fotos do Círio na UFPA 2013:

Created with flickr slideshow.