RESENHA: Neymar e Oscar comandam virada sobre a Croácia


Vitória por 3×1 na estreia, com direito a gol contra de Marcelo, marca o dia que o Brasil esperou por 64 anos
Gustavo Ferreira
Alguns desavisados podem até achar que foi um jogo fácil, tendo em vista que, nas últimas quatro Copas, a Seleção estreou vencendo por apenas um gol de diferença. Mas, na verdade, o 3×1 sobre a Croácia foi bem mais agitado que o esperado para quem esperava uma grande festa na Arena Corinthians, em São Paulo.
A emoção do Hino Nacional abriu o caminho da primeira vitória na Copa. (Foto: Marcos Ribolli)

A festa que o Brasil esperou desde 1950, quando sediou o Mundial pela primeira vez. A festa que o mundo aguardou por quatro anos, desde a final na África do Sul. Mas, cá pra nós, pra uma celebração tão esperada, a cerimônia de abertura da Copa deste ano foi um tanto decepcionante. Não teve show de luzes (o espetáculo começou às 15h50), nem fogos e nem muita emoção.
Se a gente queria emoção, bastou esperar oito minutos. Num cruzamento forte da esquerda do ataque croata, a bola passou por todos na área, menos por Marcelo. Gol brasileiro, só que contra. A Croácia abria o placar, e começava a se animar no jogo.
Brazuca morre no fundo da rede de Julio Cesar. Marcelo marca contra e abre o placar para eles.
(Foto: AFP)
Em nenhum momento os 62 mil torcedores presentes no estádio em Itaquera abandonaram a Seleção, que arriscava e se desenvolvia no campo com passes curtos de um lado pro outro. Só que o gol saiu do meio, dos pés do predestinado, quiçá futuro craque do Mundial. Ironicamente, o empate saiu de um chute errado, no cantinho do goleiro Pletikoza. Agora, que jogada do Oscar! Passou na raça por meia Croácia, tocou a bola, e o resto ficou com o camisa 10. O chute foi ruim, mas isso é detalhe. Se melhorar, estraga.
No segundo tempo, pra um time que jogava em casa, precisando virar a partida, o Brasil não veio com tanto gás. Ainda por cima, a Croácia de Niko Kovac acertou a marcação e deu sufoco ao time de Felipão. Mas o lance da virada brasileira não foi técnico. Foi malandragem pura de Fred, em seu único lance de destaque na partida. Forçou a queda na área adversária, o juiz japonês Yuichi Ishimura se convenceu e marcou pênalti. Em outro chute não tão bom assim, Neymar emplacou logo seu segundo gol na Copa. Artilheiro.
Neymar, o artilheiro. (Foto: Reuters)
E quando a Croácia se engraçava, aproveitando os lapsos da nossa zaga – mesmo com David Luiz, Paulinho, Luiz Gustavo e Daniel Alves em bom dia –, o jogo ia se encaminhando para o fim. Nada assegurado. Os croatas podiam muito bem empatar, e tiveram chances. Mas o dia 12 de junho não podia terminar sem um gol para quem acariciou os corações de quem ama a Seleção, nesse Dia dos Namorados. Oscar, aos 46 do segundo tempo, chutou de bico, no canto, e fez.
Copa no Brasil, jogo do Brasil, placar verde e amarelo. Quatro gols dos nossos rapazes. Um deles é bom esquecer, o primeiro gol contra da nossa história em Copas. Já os outros três, esses já estão gravados na memória de quem teve a chance de ver e viver o Mundial em Casa. E a festa está só começando.
O menino Oscar, um gigante em campo. (Foto: Marcos Ribolli)
Neymar fez dois e buscou jogo, é a grande esperança pelo hexa, foi eleito o melhor jogador da partida. Oscar correu demais, jogou com raça, se garantiu na disputa com William, e ainda fez um golaço no canto, selando o 3×1 no final. Escolham vocês quem foi o grande destaque da abertura.
O Brasil agora foca no México, próximo adversário, às 16h da terça-feira que vem, na Arena Castelão, em Fortaleza. A Croácia pega Camarões na rodada seguinte, quarta-feira na Arena da Amazônia, em Manaus. O jogo será às 19h.
Publicidade

Osga 2014 premia talentos e fica na memória

Confira a lista dos vencedores e assista ao Vlogue especial da noite de premiação do Festival Osga 2014
Gustavo Ferreira, com a colaboração de Thaís Siqueira

31 de maio de 2014 foi um dia pra guardar nas lembranças de todos que estiveram no Cine Olympia, em Belém. O Festival Osga comemorou 10 anos em grande estilo, com produções de jovens universitários de várias instituições. 12 vídeos foram exibidos, 15 prêmios foram entregues, e mais uma edição do festival entrou para a história.

Os maiores vencedores da noite saíram da UFPA. O Coletivo Palafita realizou Diário Íntimo, inspirado na vida de Lucíola Santos, que guardou nas páginas de seu diário as dores da vida que não pôde viver, por conta de uma grave doença. Diário Íntimo faturou 5 estatuetas, incluindo Melhor Filme e Melhor Produção.

Equipe do Palafita agradece pelo prêmio de Melhor Filme por Diário Íntimo. (Foto: Gustavo Ferreira)

VENCEDORES | Confira a lista completa dos vencedores do Osga 2014

Vídeo Minuto: Fotofobia
Vídeo Arte (Prêmio Especial): Agorafobia

Melhor Filme: Diário Íntimo
Melhor Direção: Anna com 2 n’s
Melhor Roteiro: Helland
Melhor Atriz: Fernanda de Andrade, por Helland
Melhor Ator: Renato Mangini, por Autofobia
Melhor Edição: Se os Peixes Falassem
Melhor Fotografia: Diário Íntimo
Melhor Produção: Diário Íntimo
Melhor Divulgação: Diário Íntimo
Melhor Trilha Sonora: Helland
Melhor Trilha Original (Prêmio Especial): Se os Peixes Falassem
Melhor Figurino: Diário Íntimo
Melhor Cartaz: Autofobia

Público no Olympia, assistindo aos finalistas do Osga. (Foto: Gustavo Ferreira)