RESENHA: Jogo morno

PLACAR BRASIL SUICA

Brasil não faz boa atuação, sofre gol polêmico da Suíça e larga com apenas um ponto no Grupo E da Copa

Lucas Muribeca

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

O reencontro da seleção brasileira com a Copa do Mundo, após a traumática participação de 2014, não foi como o esperado. Em um jogo duro, de poucas chances e marcado por polêmicas com a arbitragem de vídeo – o VAR -, o Brasil iniciou a caminhada em 2018 com um empate por 1 a 1 diante da Suíça, em Rostov.

Quem esperava que os suíços, conhecidos pelo estilo de jogo fechado, fossem entrar em campo desta maneira, se surpreendeu. Nos primeiros dez minutos de bola rolando foram eles que ditaram o ritmo da partida, em certas ocasiões chegaram até a encurralar o Brasil na defesa. O cenário só mudou aos 19 minutos, quando Philippe Coutinho acertou um belo chute de fora da área e abriu o placar para a Seleção Canarinho.

No decorrer do primeiro tempo, a partida ficou engessada e as equipes não conseguiram criar chances claras de gol. Com isso, o Brasil foi para o vestiário com a pequena vantagem.

Tite BRA SUI_Marko Djurica_Reuters
A preocupação de Tite (Foto: Jason Cairnduff/REUTERS)

Na volta para o segundo tempo, a Suíça teve mais tempo no campo de jogo do Brasil, e aos cinco minutos, depois da cobrança de um escanteio, Zuber subiu sozinho e empatou a partida. Esta foi a primeira contestação com a arbitragem, já que no momento da jogada, o atleta suíço empurrou Miranda, porém a falta não foi marcada.

A partir disso, o jogo ficou pegado. O alvo dos adversários era Neymar, que no geral apresentou uma atuação discreta. Por conta desse volume mais duro, o árbitro mostrou três cartões amarelos. Do lado brasileiro, Casemiro ficou pendurado, enquanto a Suíça terminou com o lateral Lichtsteiner e o volante Behrami amarelados.

World Cup - Group E - Brazil vs Switzerland
Neymar teve atuação discreta. (Foto: Marko Djurica/REUTERS)

Para tentar o resultado positivo, Tite fez três alterações: já com o cartão, Casemiro saiu para a entrada e Fernandinho, Paulinho deixou o campo e Renato Augusto ficou no lugar, e, por fim, Gabriel Jesus, que instantes antes de deixar o gramado para a chegada de Firmino, reclamou com razão de um pênalti, outraa jogada omissa para a arbitragem de vídeo.

Após as mudanças, o Brasil começou a ter o domínio do jogo, mas já não restava tanto tempo. Aos 42, Neymar cabeceou de dentro da área para o meio do gol. Em seguida, aos 44, Firmino também perdeu uma oportunidade parecida. Já nos acréscimos, novamente Neymar teve a bola do jogo com uma cobrança de falta, mas desperdiçou e o primeiro compromisso brasileiro na Copa terminou em 1 a 1. Mais um favorito ao título tropeçando em solo russo.

2018-06-17t195821z_418208891_rc1bcc23aae0_rtrmadp_3_soccer-worldcup-bra-swi
Brasileiros e suíços após o empate, em Rostov. (Foto: Marku Djurica/REUTERS)

RESENHA_DESTAQUE

Philippe Coutinho. O jogador do Barcelona foi o destaque brasileiro na partida. Além de ter marcado o único gol da equipe no confronto, também demonstrou intensidade nas jogadas que se aproximaram da área da equipe suíça. Como recompensa, ele foi escolhido o Man of the Match, o melhor jogador da partida, pela FIFA.

RESENHA_AGENDA

O Brasil volta a campo na sexta-feira (22), às 9h, contra a Costa Rica. O jogo será em São Petersburgo. Os costarriquenhos perderam hoje para a Sérvia por 1 a 0. A vitória é fundamental para o jogo decisivo, contra os sérvios.

REPÓRTER E NA COPA 2018_Marca

Anúncios

Memórias da Copa, com Gustavo Ferreira e Lucas Muribeca

Desde o início do ano você viajou no tempo e conheceu memórias boas e ruins de paraenses em copas do mundo. Desde o tri em 70, passando pelos gênios de 82 e pela derrota na França, o Repórter E te mostrou como os mundiais escrevem nossa história. Para encerrar a série “Memórias da Copa” chegou a hora de nós, Gustavo Ferreira e Lucas Muribeca, contarmos as nossas lembranças. São recentes, nos levam especialmente à África do Sul (2010) e à Coreia do Sul e Japão (2002), ano do penta. Amanhã começa a Copa de 2018 na Rússia. Mais uma chance de nascerem memórias pra sempre.

Memórias da Copa, com Syanne Neno

A jornalista Syanne Neno é referência no jornalismo esportivo do Pará há mais de duas décadas, e no “Memórias da Copa” de maio ela relembra a dor e a alegria de ver a Seleção de Telê na Espanha encantar o mundo inteiro, em 1982.

 

Bio: Joyce Cursino

Banner Bio Joyce
Foto: Judá França

Jurunense de coração, essa jovem de 21 anos atua – literalmente – defendendo sua origem, sua cor, seu gênero. Além de atriz, ela já produziu grandes eventos na cidade, fez parte como roteirista de projetos do novo audiovisual de Belém, e agora vai encarar um grande desafio no programa Profissão Repórter, da TV Globo. Com vocês, a Bio de maio: Joyce Cursino.

Continue lendo “Bio: Joyce Cursino”

Os 23 convocados de Tite: veja análise do Repórter E

Gustavo Ferreira, Lucas Muribeca e o convidado Mateus Miranda comentam, posição por posição, as escolhas do treinador para defender a Seleção na Copa da Rússia

Depois da divulgação da lista com os escolhidos de Tite para defender a Seleção na Rússia, daqui a um mês, o Repórter E analisou os 23 nomes, posição por posição.

Com apresentação de Gustavo Ferreira e comentários de Lucas Muribeca (Globoesporte.com/PA) e do jornalista Mateus Miranda (Rádio Clube).

Repórter E na Copa 2018: torcer movimenta.